Qual a função da Receita Federal?

A Receita Federal é um órgão ligado ao Ministério da Economia. Dirigida pelo Secretário da RFB, a instituição abriu o último concurso para contratação de novos profissionais no ano de 2014.

Existe, atualmente, grande expectativa de que um novo certame seja divulgado em breve. Se você quer entender melhor qual a função da receita federal para saber se seu perfil é compatível com uma das vagas, continue lendo esse texto.

Qual a função da Receita Federal?

A Receita é a responsável pelo processamento do Cadastro de Pessoa Física (CPF) e Cadastro Nacional Pessoa Jurídica (CNPJ). Desde a data de 16 de março de 2007, a Receita Federal ficou responsável por toda arrecadação de impostos federais e contribuições de matriz previdenciária. Esse órgão também subsidia o Poder Executivo Federal na formulação da política tributária brasileira. Além disso, previne e combate à sonegação fiscal, o contrabando, a pirataria, o descaminho, a fraude comercial, o tráfico de drogas e de animais em extinção e outros atos ilícitos que possam estar relacionados ao comércio internacional.

Quando vai ser o próximo Concurso da Receita Federal?

Antes de mais nada é importante saber que o concurso da Receita ainda aguarda autorização por parte do Ministério da Economia para iniciar os preparativos. O pedido já foi enviado, porém ainda não há mais informações sobre quando será divulgado o edital.

A previsão é que sejam abertas 2.153 vagas, sendo 1.453 para o cargo de Analista Tributário e 700 para Auditor Fiscal. Para concorrer a qualquer uma das funções é necessário ter nível superior completo em qualquer área.

Para ser aprovado e garantir uma dessas vagas, é preciso começar a se preparar o quanto antes. Para se ter uma ideia da competitividade envolvidos no concurso, na última edição, realizada em 2014, foram 68.540 candidatos inscritos e 272 servidores convocados.

Como passar no concurso da Receita Federal?

Confira as disciplinas que precisam de atenção especial:

De acordo com os últimos editais onde os cargos de Analista Tributário Receita Federal e Auditor Fiscal Receita Federal, as disciplinas que podem ser cobradas no próximo certame são:

– Analista Tributário:

  • Língua Portuguesa
  • Língua Espanhola ou Língua Inglesa
  • Raciocínio Lógico-Quantitativo
  • Direito Constitucional e Administrativo
  • Administração Geral
  • Direito Tributário
  • Contabilidade Geral
  • Legislação Tributária e Aduaneira
  • Informática

– Auditor Fiscal:

  • Língua Portuguesa
  • Língua Espanhola ou Língua Inglesa
  • Raciocínio Lógico-Quantitativo
  • Administração Geral e Pública
  • Direito Constitucional
  • Direito Administrativo
  • Direito Tributário
  • Auditoria
  • Contabilidade Geral e Avançada
  • Legislação Tributária
  • Comércio Internacional e Legislação Aduaneira

Além da prova objetiva, os candidatos ainda precisam ser aprovados em uma prova discursiva.

Agora, se você não sabe como começar a se preparar, precisa encontrar um curso preparatório que vai te dar acesso a todos os conteúdos das provas anteriores. Os cursos online oferecem a melhor preparação, e o melhor: você estuda onde e quando puder. Além disso, você tem acesso a um banco de questões com as provas que já foram realizadas. Dessa forma você se prepara para o dia da prova, conhecendo o estilo, tempo necessário para cada questão e chega lá com segurança para garantir uma das vagas na Receita Federal.

Até que ponto o ENEM é efetivo no Brasil?

Com um INIMIGO aqui considerado “agressivo”, o Brasil não só formou muitos mais estudantes universitários do muitos países da América Latina (como Paraguai, Argentina e outros) , mas que, além disso, sua formatura anual vem crescendo a um ritmo maior do que a média.

aplicação de exames de conhecimentos ao final do ciclo secundário não impacta negativamente na graduação total universitária, mas que, justamente, promove o contrário. De fato, o Brasil tem um regime de renda “restritivo”, mas a sua formatura da universidade, não só é muito mais alta que a nossa, mas que além disso, esta diferença se amplia, ano após ano, porque o ritmo de crescimento anual da graduação universitária é maior no Brasil do que na Argentina.

Não há maior “restrição” que a falta de estímulos para a dedicação ao estudo na própria escola, porque o que não se estuda é nessa instância, é muito difícil recuperar na universidade. Não existem restrições para o acesso às nossas universidades, porque assim dispõe a Lei 27.204, mas o abandono e a evasão são muito elevados, já que, de cada cem alunos que entram para todo o sistema universitário argentino (estatal e privado), quase setenta não concluem seus estudos.

Um fim de semana muito diferente no Brasil e a Argentina, no próximo mês de novembro, é o prelúdio lamentável de dois futuros diferentes. Mas os jovens não são os responsáveis, porque os adultos definem a política educacional. Este exame ENEM aponta claramente para melhorar o nível de conhecimento dos estudantes de ensino médio no Brasil; há que se destacar que algo semelhante acontece nos países latino-americanos que também se aplicam exames para a conclusão do ciclo secundário.

Mas a aplicação do ENEM não trás um bom exemplo somente como método de avaliação do Ensino Médio (embora ainda mereça melhorias). Sobretudo, o que o Ministério da Educação consegue garantir é um sistema muito eficiente para lidar com grande volume de informações e alunos – coisa que se aplica por meio do INEP. Há muitos sites especializados para saber o local de prova (localdeprovaenem2019.com.br) ou então para saber como consultar o resultado (vestibular.brasilescola.uol.com.br) e entre outros auxílios midiáticos que vem a acrescentar na vida do estudante que busca a conclusão definitiva do Ensino Médio ou então uma oportunidade de entrar em universidades púbicas e privadas no país.

A ausência deste tipo de exames é uma clara desvantagem para os nossos alunos secundários, uma vez que deteriora o processo de estudo nessa escola. É comum ouvir de nossos professores universitários de primeiro ano destacar as grandes deficiências na preparação dos estudantes secundários e a elevada deserção.

Neste século XXI, uma nação não pode garantir o seu crescimento econômico e desenvolvimento tecnológico sem uma significativa graduação universitária de sua população. Se você continuar como até agora, continuaremos a comprometer ainda mais o futuro de nossos adolescentes.

O que é cadastro de reserva em concurso público?

Você certamente, ao abrir o edital do certame no qual tem interesse, já se deparou com a expressão “cadastro de reserva”, ou simplesmente com a sigla CR. E quando isso acontece o desânimo costuma ser inevitável e o primeiro pensamento é desistir da inscrição, não é? Nós vamos te mostrar porque pensar dessa forma é errado e desmistificar a má impressão sobre o que é cadastro de reserva em concurso público.

Como o próprio nome já diz, trata-se de uma reserva que o órgão cria com candidatos aprovados, convocando-os conforme demanda e necessidade do órgão. As vacâncias vão acontecendo conforme funcionários se aposentam ou são exonerados, quando aprovados às vagas imediatas desistem de assumi-las, quando há aumento na quantidade de trabalho, entre outras ocasiões.

Bom, você deve estar se perguntando: “Fiz a prova referente a um edital onde havia apenas oportunidades em cadastro de reserva, estudei com um preparatório para concurso público e fui aprovado, qual certeza tenho de que serei nomeado?”. Não há como mentir, cabe ao órgão decidir se te convocará ou não, baseado é claro nas situações expostas no parágrafo anterior. Mas acredite, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, o número de nomeações costuma ser bastante alto. Os melhores exemplos são os concursos de Tribunais, que tendem a chamar um número de aprovados bem maior do que o originalmente informado.

Sendo assim, é perfeitamente possível afirmar que os aprovados em CR têm a preferência para ocupar os cargos que continuarem vagos antes que sejam abertos novos concursos. Afinal, é uma forma mais simples e menos burocrática de resolver a situação. Caso contrário, seria necessário começar do zero todos os trâmites que envolvem a abertura de um novo processo seletivo.

No final do mês de março de 2019, foi publicado um novo decreto no Diário Oficial da União estabelecendo algumas normas para concursos. Assinado pelo presidente Jair Bolsonaro, o documento prevê que, excepcionalmente, o Ministro da Economia poderá autorizar a realização de certames com formação de cadastro de reserva para provimento futuro, atendendo a instituição que demonstre a impossibilidade de determinar o quantitativo de vagas necessário para o provimento imediato. Porém, a nomeação dos aprovados nessa situação segue sendo facultativa para o órgão e depende da autorização do ministro.

É importante frisar que, no edital, deverá constar a quantidade limite de aprovados, para que assim o candidato saiba quando não há chances de ser nomeado.

Não desconsidere os cadastros de reserva

Como falamos no início do texto, em um primeiro momento pode ser desanimador abrir um edital e se deparar com as letrinhas CR. Mas não cometa o erro de desistir do concurso no qual você tem o sonho de ser aprovado pelo simples fato de a oferta de vagas ser “apenas” para cadastro de reserva. Aqui vai uma dica preciosa: esses concursos tendem a ser os menos concorridos, justamente pelo fator “desânimo”, ou seja, suas chances passam a ser muito maiores. Use isso a seu favor!

Então esqueça toda e qualquer frustração, mantenha o foco, dê o play naquela video aula para concurso público que você comprou para te ajudar e vai com tudo fazer a prova. Temos certeza que aquele CR que inicialmente te deixou desmotivado ainda te dará muitas alegrias!